O que você precisa saber sobre a economia em 2024

O que você precisa saber sobre a economia em 2024
O que você precisa saber sobre a economia em 2024

Aproveite as melhores oportunidades para fazer o dinheiro render e realizar seus sonhos no novo ano

Ano novo, vida nova! Pra fazer o dinheiro render e realizar seus sonhos neste ciclo que se inicia, é preciso planejamento. Por isso, a gente resume as três principais projeções econômicas para 2024 e quais serão as oportunidades em evidência pra você se programar para alcançar as suas metas.

Mais acesso ao crédito: taxa básica de juros da nossa economia, a Selic – taxa que controla a inflação – finalizou 2023 em 11,75% ao ano, ainda dentro do ciclo de queda iniciado em agosto. A previsão é de que ela continue a recuar no decorrer deste novo ano. Sendo assim, os juros mais baixos tendem a favorecer o acesso ao crédito, seja para você fazer um financiamento para trocar de carro, garantir capital de giro para sua empresa ou comprar uma casa.

Maior poder de compra para a população: a tendência é de que a inflação continue a desacelerar, podendo chegar a 3,9% em 2024. Pra você entender, quando a inflação aumenta, os produtos ficam mais caros. Sendo assim, a expectativa é de que, neste novo ano, os produtos de consumo em geral não passem por reajustes significativos, e desta forma, cresce a quantidade de coisas que o seu dinheiro pode comprar no dia a dia.

Investimentos continuam atrativos: para quem quer fazer o dinheiro render em investimentos no Sicredi, as palavras de ordem são: diversificação da carteira. Em 2022 e 2023, a alta da Selic favoreceu os ganhos em renda fixa. Apesar da queda da taxa básica de juros prevista para seguir em 2024, continuam atrativas opções como a Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA), para proteger o investidor de oscilações do mercado ou uma eventual mudança na trajetória dos juros.

O gerente de Captação da Sicredi Região da Produção RS/SC/MG, Humberto Canova, explica, em vídeo, os detalhes a respeito das projeções econômicas para 2024.

Assista à entrevista:

Compartilhe